Guia para estimular o bebê no primeiro ano de vida - Radar da Primeira Infância

Guia para estimular o bebê no primeiro ano de vida

Compartilhar

  • 11938

estimular o bebê

Uma pesquisa realizada em 2012 mostrou que os brasileiros concordam que brincar é importante para as crianças, mas nem todos compreendem a importância dos estímulos corretos para cada fase do desenvolvimento. Um dos resultados colhidos na pesquisa foi de que 19% dos entrevistados consideram o brincar importante, mas 55% deixavam a criança na frente da TV para aprender com os programas infantis e 4% afirmaram que crianças de até um ano não precisam de estímulos, pois elas aprendem sozinhas.

O que a ciência tem reforçado nas últimas décadas é exatamente o contrário: estímulos no primeiro ano de vida são fundamentais para a formação das conexões cerebrais e para o desempenho em diversas áreas ao longo da vida.

Os cientistas estão longe de um consenso sobre o que exatamente os bebês já sabem quando vêm ao mundo, mas uma quantidade considerável de estudos tem constatado que os pequenos são muito mais do que uma “tábula rasa” ou uma página em branco, como se acreditou por muitos séculos. O domínio de conhecimento dos bebês – ou ao menos a aptidão natural deles para absorver rapidamente certos tipos de conhecimento – incluem áreas tão diferentes quanto a física, a linguística, a biologia e até uma forma rudimentar de ética.

Nos primeiros meses de vida, o bebê começa a entender o mundo, mas de um jeito diferente: por meio dos cinco sentidos. O bebê compreende o que está à sua volta por meio de sons, aromas, toque, paladar. É assim que, ativamente, ele constrói a memória de suas experiências, usando todo o corpo, dos pés à cabeça. Através de práticas do dia a dia e atividades de criação de vínculo, os pais e cuidadores podem ajudar a criança pequena a fazer descobertas e a sentir-se cada vez mais parte de sua família e comunidade estimulando o toque, o olhar aguçado, o olfato, a audição e o paladar.

Os bebês nascem com uma capacidade natural de pegar objetos, mas demora pelo menos um ano para eles desenvolverem coordenação motora suficiente para segurar um objeto com firmeza nas mãos. Eles começam a treinar para isso aos 3 meses e, a cada mês que passa, fazem grandes avanços. Segurar objetos é um dos marcos de desenvolvimento do primeiro ano de vida e é essencial para que o bebê comece a realizar uma série de outras atividades, como levar algo à boca, brincar, aprender a comer e, mais para frente, escrever, escovar os dentes, vestir-se etc. Seus pais e cuidadores podem oferecer estímulos adequados a cada faixa etária para auxiliar o bebê a desenvolver essa habilidade.

A frase popular “educação vem de berço” traz um verdadeiro ensinamento, uma vez que o lar do bebê, além de ser um ambiente de afetividade e confiança, contribui efetivamente para seu desenvolvimento. Oferecer atividades de estímulo sensorial, criar um cantinho de conhecimento, não ignorar o bebê e suas necessidades, oferecer brinquedos interativos, deixar o bebê investigar, conversar e brincar com ele são algumas das atividades que podem ser desenvolvidas pelos pais e cuidadores e que estimulam o pleno desenvolvimento infantil.

Muito antes de letras, números e palavras, o bebê precisa de estímulos mais abstratos para iniciar seu aprendizado. Existem quatro tipos diferentes de estímulos que podem ser oferecidos no primeiro ano de vida (se estendendo até os primeiros 1.000 dias da criança):

 

  • Estímulos afetivos: o vínculocom pais e cuidadores fornece segurança;
  • Estímulos físicos: permitir que ele conheça as possibilidades de seu próprio corpo;
  • Estímulos cognitivos: lerem voz alta, ouvir músicas;
  • Estímulos sensoriais: permitir que ele experimente o mundo através dos cinco sentidos.

Veja como contribuir para o desenvolvimento do bebê ao longo dos primeiros 12 meses de vida:

0 a 3 meses                                                                                      

Durante muito tempo pensou-se que um recém-nascido fosse capaz somente de comer e dormir. Mas os estudiosos do comportamento dos recém-nascidos, pouco a pouco desvendaram o mundo das sensações que um bebê é capaz de perceber, além das formidáveis habilidades instintivas. O bebê possui cinco respostas instintivas que fazem com que ele saiba respirar, chupar, interagir de imediato com o novo ambiente que o rodeia.

Nos primeiros 3 meses de vida do bebê, é importante que seus pais e familiares conheçam suas necessidades e as características de seu desenvolvimento. Neste período ele vai aprender a sorrir, a mover seus braços e pernas e a emitir alguns sons. Ao nascer, sua audição já está bem desenvolvida e a visão está se desenvolvendo intensamente.

Pouco a pouco, o bebê vai fixando os olhos nas pessoas e nos objetos que estão próximos de si, seguindo-os com o olhar quando se movem. Também aprende a manifestar reações de alegria frente às pessoas que com ele interagem e dele cuidam. Os pais e cuidadores podem favorecer esse desenvolvimento, realizando atividades simples no cotidiano, estimulando o bebê ao mesmo tempo em que realizam cuidados básicos.

3 a 6 meses

Entre os 3 e 6 meses de vida, o bebê passa a reconhecer pessoas de seu convívio, já consegue agarrar objetos a seu alcance e começa a aprender a mudar de posição sozinho. Há uma notável diferença em relação ao desenvolvimento de quando ainda não havia completado 3 meses. Na interação com o outro, o bebê poderá́ dar risadas, balbuciar e expressar entusiasmo frente aos brinquedos e aos objetos que lhe são mostrados.

6 a 9 meses

Entre os 6 e 9 meses de idade, o bebê começa a realizar diversas atividades sozinho, aprende a sentar e se locomover, pegar e explorar objetos, e começa a reconhecer nomes de pessoas e coisas. O papel dos pais e do cuidador é ainda mais importante nessa fase, pois seu desenvolvimento dependerá dos estímulos recebidos.

Um dos marcos mais importantes nesse período é o início da introdução alimentar. É importante que o bebê receba a quantidade de nutrientes necessária para um crescimento saudável, em uma dieta diversificada e de qualidade, evitando açúcares e produtos industrializados. Os estímulos nessa idade devem envolver atividades para manipular objetos e brinquedos, desenvolver a linguagem, aprender a engatinhar e ficar em pé.

9 a 12 meses

Entre os 9 e os 12 meses de vida do bebê, sua interação com o mundo se torna mais evidente. Ele adquire novas habilidades motoras e espaciais; manipula objetos; compreende pequenas ordens, como “não pode”, “vem aqui”, “traga o brinquedo”; e começa a dar os primeiros passos apoiando em outras pessoas ou em móveis.

Pais e cuidadores podem incentivar a aquisição da linguagem, inserindo novas palavras às brincadeiras, estabelecendo um diálogo e escutando enquanto o bebê balbucia, além de incentivá-lo com músicas e danças. O bebê também deve participar das refeições em família, sempre atendando para uma alimentação variada e de acordo com as suas necessidades.

Atividades para estimular habilidades nos bebês

Reunimos a seguir uma série de sugestões de atividades que podem ser desenvolvidas para estimular diferentes habilidades nos bebês:

Quer saber mais sobre como favorecer o desenvolvimento dos bebês por meio de estímulos? Clique no botão laranja e acesse tudo o que já publicamos sobre o tema.

BOTÃO

Compartilhar

O Radar nas redes sociais

Iniciativa

Apoio

Iniciativa

Apoio